quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Qual é a diferença entre GOZO e ORGASMO

Tanto do ponto de vista fisiológico, como do emocional, existem diferenças significativas entre o homem e a mulher no tocante à sexualidade. Essas diferenças não são ruins, pelo contrário, elas podem complementar o que falta ao outro parceiro.

O orgasmo ou gozo é o ápice numa relação sexual. Ocorre quando o prazer chega a um momento de intensidade máxima. Ele é diferente para cada pessoa, mas algumas sensações são mais recorrentes no homem ou na mulher. Na relação sexual, cada um tem que buscar formas de alcançar o prazer, desde que não machuque a si e nem ao parceiro/a, tanto física como emocionalmente.

O orgasmo da mulher
O orgasmo, ou gozo, chega para a mulher depois de um tempo de carícias e jogos sexuais, e esse tempo é bastante variável para cada mulher. (Também é diferente para o homem, que em geral se excita mais rapidamente que a mulher).

Na medida em que a intensidade da relação sexual vai aumentando, a mulher vai ficando mais excitada. Chega um momento em que alcançará o auge dessa excitação e isso poderá se manifestar como uma sensação forte de entrega, um aumento da pulsação e dos batimentos cardíacos,  contração da vagina e dos músculos que circulam a vagina, um arrepio pelo corpo, um tremor na barriga, aumento do suor e dilatação das pupilas. Essas são as sensações comumente sentidas pelas mulheres ao alcançarem o orgasmo. Dependendo da mulher, poderá ocorrer uma ou mais dessas sensações, ou até outras reações que não são tão freqüentes.

A mulher ejacula?
Embora haja muita discussão sobre se a mulher ejacula ou não, do ponto de vista fisiológico a mulher não ejacula. Pois a ejaculação masculina é a liberação do semem (espermatozóides) que são os componentes masculinos que têm por finalidade fecundar o óvulo da mulher.

O que pode ocorrer é o seguinte: a mulher possui glândulas secretoras de líquido lubrificante (o que a torna “molhadinha” quando está excitada); esse lubrificante pode se acumular e com o aumento da excitação e a conseqüente contração da vagina no momento do orgasmo, pode ser liberado em maior quantidade. Pode ocorrer durante ou logo após o orgasmo. Mas não ocorre para todas as mulheres.

O orgasmo do homem
Para o homem, o orgasmo traz evidências mais concretas, pois é acompanhado de resposta fisiológica clara: a ejaculação. Também o homem pode sentir o aumento dos batimentos cardíacos, aumento do suor, e ondas de tremor pelo corpo, indicando grande prazer. Porém o mais significativo para a percepção do orgasmo dele é a ejaculação.

Algumas práticas de yoga tântrica (prática oriental) pressupõem a possibilidade do homem atingir o orgasmo sem ejaculação. Na origem dessa prática está a idéia de que a retenção do semem (não ejaculação) aumentaria a força vital do homem.

Quando alguns homens não chegam a ejacular, não significa que não tenham tido prazer. E existem também os casos de ejaculação precoce, ou seja, a ejaculação se dá muito rapidamente. Mas esse é um assunto que vamos discutir futuramente.

Ocorre que no homem é possível se ter um indício claro, fisiológico, de que atingiu o orgasmo enquanto que na mulher não. Por isso, existe tanta dúvida sobre o fato da mulher ter ou não atingido o orgasmo. Pesquisas indicam que muitas mulheres fingem ter atingido o orgasmo para evitarem decepcionar os parceiros/as, ou até para concluir o ato sexual, uma vez que estão tendo dificuldades para gozar.

O tempo
Esse fator é bastante variável, pois depende do momento e varia de casal para casal. Freqüentemente a mulher demora mais tempo que o homem para atingir o orgasmo. Isso acaba indicando ao homem que ele deva procurar retardar o seu orgasmo, uma vez que logo após a ejaculação ele começa a perder a ereção.

Um mito que está associado ao desempenho sexual é que o orgasmo deveria ser simultâneo, ou seja, ocorrer ao mesmo tempo. Isso dificilmente acontece, pois apesar do casal procurar o mesmo ritmo, as respostas de cada um são individuais, e o momento do orgasmo é único para cada um. Reforço que o mais importante é procurar ter um caminho pela relação sexual com muito prazer, e não se atingir performances previamente determinadas. Ao buscar um desempenho pré-estabelecido um ou ambos parceiros tendem a aumentar a ansiedade, o que, nesse caso, traria conseqüências dificultadoras para se sentir prazer e atingir o orgasmo.

Além disso, nenhum parceiro é responsável pelo orgasmo do outro. Também essa idéia está associada ao desempenho pré-estabelecido. A disposição para a troca, para a entrega, para o carinho será muito maior na medida em que ela for espontânea e não comprometida com um comportamento imaginado.

As variações do orgasmo feminino
O orgasmo é uma experiência corporal e emocional que é atingida no momento máximo da  excitação sexual. São descritas algumas diferentes formas de orgasmos para a mulher, tais como:

    * orgasmo clitoridiano: que é o orgasmo atingido quando acontece grande estimulação do clitóris. Isso pode acontecer com sexo oral, manipulação com a mão, com um vibrador ou algum objeto. O clitóris é um órgão muito enervado, o que o torna muito sensível à estimulação. É o tipo de orgasmo mais freqüentemente alcançado pelas mulheres.

    * orgasmo vaginal: é o orgasmo atingido com a penetração. Não é tão freqüente quanto o clitoridiano. Na penetração pode ocorrer a pressão sobre o ponto G, o que pode ampliar as sensações de prazer e levar a um orgasmo mais intenso.

    * orgasmos múltiplos: ocorrem quando a mulher experimenta uma seqüência de pequenos orgasmos, tendo no total uma maior duração de tempo.

Além dessas formas mais freqüentes de orgasmo, outras formas também são possíveis. O sexo anal pode ser a preferência de algumas mulheres que podem atingir orgasmo dessa forma, especialmente porque a posição favorece a manipulação do clitóris. Muitas mulheres, no entanto, não apreciam esse tipo de relação. Isso deverá ser respeitado por elas mesmas e por seus parceiros.

Outras mulheres experimentam orgasmo com a manipulação dos seios e mamilos. Enfim o orgasmo pode ser atingido com qualquer grande estimulação de alguma área excitável. Ele fica mais possível quando há uma entrega às sensações e ao parceiro/a.

Antes de tudo, o orgasmo não deve ser a expectativa máxima de uma relação sexual. O encontro sexual pode e deve ser vivido em todas as suas etapas. O orgasmo é mais uma de suas etapas. Como é um momento de forte intensidade é muito valorizado. Mas todas as fases de uma relação sexual devem ser vividas. E quanto maior for a entrega nas fases que antecedem o orgasmo mais ele se torna possível.

A ansiedade é uma inimiga do relaxamento e entrega que podem ser conseguidos na relação sexual. E quanto mais você ficar ansiosa para atingir o orgasmo mais você vai estar dificultando a possibilidade de atingi-lo, pois não vai conseguir relaxar e se entregar verdadeira e espontaneamente à experiência.

O mais valioso na relação sexual é poder vivê-la por completo, com a maior harmonia possível com o parceiro e a melhor condição de entrega para a experiência. O que quero dizer, nesse caso, é que é mais importante o caminho do que o destino. Se o seu destino, ao se relacionar sexualmente, somente for o orgasmo, você não vai aproveitar todas as outras fases que poderão ser muito prazerosas, e que facilitarão o aumento da excitação, que por conseqüência poderá levá-la ao orgasmo.

Isto é válido tanto para a mulher quanto para o homem. Pois a ansiedade é um dos fatores mais determinantes para a impotência ou perda de ereção, assim como para a ejaculação precoce.
Então procure viver cada momento da sua relação sexual como único, e esteja o mais presente nele possível. Uma boa transa vale muito mais pela entrega do que por desempenho. Não há uma performance pré-estabelecida que tenha que ser atingida. Não há que se esquecer que quanto maior for a intimidade entre os parceiros, maior a possibilidade de entrega um ao outro.

Quando o orgasmo é encarado com o objetivo máximo de uma relação sexual, todo o resto, que pode ser muito bom, tende a ser depreciado. E partir de então os problemas sexuais podem aumentar. Uma vez que por ansiedade cada vez mais pode ocorrer a fixação por desempenho, dificultando os outros momentos do ato sexual, que poderiam ser vividos de forma mais plena.Tanto do ponto de vista fisiológico, como do emocional, existem diferenças significativas entre o homem e a mulher no tocante à sexualidade. Essas diferenças não são ruins, pelo contrário, elas podem complementar o que falta ao outro parceiro.

O orgasmo ou gozo é o ápice numa relação sexual. Ocorre quando o prazer chega a um momento de intensidade máxima. Ele é diferente para cada pessoa, mas algumas sensações são mais recorrentes no homem ou na mulher. Na relação sexual, cada um tem que buscar formas de alcançar o prazer, desde que não machuque a si e nem ao parceiro/a, tanto física como emocionalmente.

O orgasmo da mulher
O orgasmo, ou gozo, chega para a mulher depois de um tempo de carícias e jogos sexuais, e esse tempo é bastante variável para cada mulher. (Também é diferente para o homem, que em geral se excita mais rapidamente que a mulher).

Na medida em que a intensidade da relação sexual vai aumentando, a mulher vai ficando mais excitada. Chega um momento em que alcançará o auge dessa excitação e isso poderá se manifestar como uma sensação forte de entrega, um aumento da pulsação e dos batimentos cardíacos,  contração da vagina e dos músculos que circulam a vagina, um arrepio pelo corpo, um tremor na barriga, aumento do suor e dilatação das pupilas. Essas são as sensações comumente sentidas pelas mulheres ao alcançarem o orgasmo. Dependendo da mulher, poderá ocorrer uma ou mais dessas sensações, ou até outras reações que não são tão freqüentes.

A mulher ejacula?
Embora haja muita discussão sobre se a mulher ejacula ou não, do ponto de vista fisiológico a mulher não ejacula. Pois a ejaculação masculina é a liberação do semem (espermatozóides) que são os componentes masculinos que têm por finalidade fecundar o óvulo da mulher.

O que pode ocorrer é o seguinte: a mulher possui glândulas secretoras de líquido lubrificante (o que a torna “molhadinha” quando está excitada); esse lubrificante pode se acumular e com o aumento da excitação e a conseqüente contração da vagina no momento do orgasmo, pode ser liberado em maior quantidade. Pode ocorrer durante ou logo após o orgasmo. Mas não ocorre para todas as mulheres.

O orgasmo do homem
Para o homem, o orgasmo traz evidências mais concretas, pois é acompanhado de resposta fisiológica clara: a ejaculação. Também o homem pode sentir o aumento dos batimentos cardíacos, aumento do suor, e ondas de tremor pelo corpo, indicando grande prazer. Porém o mais significativo para a percepção do orgasmo dele é a ejaculação.

Algumas práticas de yoga tântrica (prática oriental) pressupõem a possibilidade do homem atingir o orgasmo sem ejaculação. Na origem dessa prática está a idéia de que a retenção do semem (não ejaculação) aumentaria a força vital do homem.

Quando alguns homens não chegam a ejacular, não significa que não tenham tido prazer. E existem também os casos de ejaculação precoce, ou seja, a ejaculação se dá muito rapidamente. Mas esse é um assunto que vamos discutir futuramente.

Ocorre que no homem é possível se ter um indício claro, fisiológico, de que atingiu o orgasmo enquanto que na mulher não. Por isso, existe tanta dúvida sobre o fato da mulher ter ou não atingido o orgasmo. Pesquisas indicam que muitas mulheres fingem ter atingido o orgasmo para evitarem decepcionar os parceiros/as, ou até para concluir o ato sexual, uma vez que estão tendo dificuldades para gozar.

O tempo
Esse fator é bastante variável, pois depende do momento e varia de casal para casal. Freqüentemente a mulher demora mais tempo que o homem para atingir o orgasmo. Isso acaba indicando ao homem que ele deva procurar retardar o seu orgasmo, uma vez que logo após a ejaculação ele começa a perder a ereção.

Um mito que está associado ao desempenho sexual é que o orgasmo deveria ser simultâneo, ou seja, ocorrer ao mesmo tempo. Isso dificilmente acontece, pois apesar do casal procurar o mesmo ritmo, as respostas de cada um são individuais, e o momento do orgasmo é único para cada um. Reforço que o mais importante é procurar ter um caminho pela relação sexual com muito prazer, e não se atingir performances previamente determinadas. Ao buscar um desempenho pré-estabelecido um ou ambos parceiros tendem a aumentar a ansiedade, o que, nesse caso, traria conseqüências dificultadoras para se sentir prazer e atingir o orgasmo.

Além disso, nenhum parceiro é responsável pelo orgasmo do outro. Também essa idéia está associada ao desempenho pré-estabelecido. A disposição para a troca, para a entrega, para o carinho será muito maior na medida em que ela for espontânea e não comprometida com um comportamento imaginado.

As variações do orgasmo feminino
O orgasmo é uma experiência corporal e emocional que é atingida no momento máximo da  excitação sexual. São descritas algumas diferentes formas de orgasmos para a mulher, tais como:

    * orgasmo clitoridiano: que é o orgasmo atingido quando acontece grande estimulação do clitóris. Isso pode acontecer com sexo oral, manipulação com a mão, com um vibrador ou algum objeto. O clitóris é um órgão muito enervado, o que o torna muito sensível à estimulação. É o tipo de orgasmo mais freqüentemente alcançado pelas mulheres.

    * orgasmo vaginal: é o orgasmo atingido com a penetração. Não é tão freqüente quanto o clitoridiano. Na penetração pode ocorrer a pressão sobre o ponto G, o que pode ampliar as sensações de prazer e levar a um orgasmo mais intenso.

    * orgasmos múltiplos: ocorrem quando a mulher experimenta uma seqüência de pequenos orgasmos, tendo no total uma maior duração de tempo.

Além dessas formas mais freqüentes de orgasmo, outras formas também são possíveis. O sexo anal pode ser a preferência de algumas mulheres que podem atingir orgasmo dessa forma, especialmente porque a posição favorece a manipulação do clitóris. Muitas mulheres, no entanto, não apreciam esse tipo de relação. Isso deverá ser respeitado por elas mesmas e por seus parceiros.

Outras mulheres experimentam orgasmo com a manipulação dos seios e mamilos. Enfim o orgasmo pode ser atingido com qualquer grande estimulação de alguma área excitável. Ele fica mais possível quando há uma entrega às sensações e ao parceiro/a.

Antes de tudo, o orgasmo não deve ser a expectativa máxima de uma relação sexual. O encontro sexual pode e deve ser vivido em todas as suas etapas. O orgasmo é mais uma de suas etapas. Como é um momento de forte intensidade é muito valorizado. Mas todas as fases de uma relação sexual devem ser vividas. E quanto maior for a entrega nas fases que antecedem o orgasmo mais ele se torna possível.

A ansiedade é uma inimiga do relaxamento e entrega que podem ser conseguidos na relação sexual. E quanto mais você ficar ansiosa para atingir o orgasmo mais você vai estar dificultando a possibilidade de atingi-lo, pois não vai conseguir relaxar e se entregar verdadeira e espontaneamente à experiência.

O mais valioso na relação sexual é poder vivê-la por completo, com a maior harmonia possível com o parceiro e a melhor condição de entrega para a experiência. O que quero dizer, nesse caso, é que é mais importante o caminho do que o destino. Se o seu destino, ao se relacionar sexualmente, somente for o orgasmo, você não vai aproveitar todas as outras fases que poderão ser muito prazerosas, e que facilitarão o aumento da excitação, que por conseqüência poderá levá-la ao orgasmo.

Isto é válido tanto para a mulher quanto para o homem. Pois a ansiedade é um dos fatores mais determinantes para a impotência ou perda de ereção, assim como para a ejaculação precoce.
Então procure viver cada momento da sua relação sexual como único, e esteja o mais presente nele possível. Uma boa transa vale muito mais pela entrega do que por desempenho. Não há uma performance pré-estabelecida que tenha que ser atingida. Não há que se esquecer que quanto maior for a intimidade entre os parceiros, maior a possibilidade de entrega um ao outro.

Quando o orgasmo é encarado com o objetivo máximo de uma relação sexual, todo o resto, que pode ser muito bom, tende a ser depreciado. E partir de então os problemas sexuais podem aumentar. Uma vez que por ansiedade cada vez mais pode ocorrer a fixação por desempenho, dificultando os outros momentos do ato sexual, que poderiam ser vividos de forma mais plena.

13 comentários:

  1. Voce menciona que mulher não ejacula, porque ejaculação é liberação do espermatozóide, fato que ocorre no organismo MASCULINO. Mas, e o homem que faz vasectomia, ele não libera espermatozóide, então, na sua visão ELE NÃO EJACULA?
    Asseguro a voce, que mulher ejacula sim. Estude mais um pouco as pesquisas cientificas RECENTES, e depoimentos de mulheres que tem JATOS de líquido que sai do canal da uretra, quando atingem o ápice do prazer.

    Boa sorte,
    Marízia Bonifácio

    ResponderExcluir
  2. Engraçado, a pessoa não sabe ler direito ou lê algo que não entendeu e por isso se vê no direito de não concordar.

    Tenha mais inteligente na hora de interpretar textos e dar opiniões desnecessárias.

    Desculpe o blog,
    Mas é que está muito claro o que foi escrito e a pessoa vai lá e faz um comentário inútil, diria até ofensivo.

    Bom, fiquei feliz com que li e descobri que sou feliz sexualmente. rs

    ResponderExcluir
  3. estava tentava com duvida em compreender o orgasmo e a ejaculação
    mas através dessa sua explicação eu compreendi ... obrigada

    ResponderExcluir
  4. O blog tirou algumas dúvidas minhas, obrigada. Bjos :D

    ResponderExcluir
  5. Tenho 22 anos e comecei minha vida seexual ha uns 3 meses com meu noivo. Estava com muitas dúvidas, mas agora sei que está normal! Rs' obrigada :)

    ResponderExcluir
  6. O que fazer pra fazer a mulherr gozar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tenho 40 anos. na minha experiência sexual posso dizer o seguinte.
      só a total entrega de ambos. se for só uma ficada ela tem que estar muito a fim. se não vc vai exigir o máximo de vc. mesmo assim e difícil ela gozar ou orgasmo.

      Excluir
  7. Sou casado à 14 anos e não tenho prazer com minha mulher e ela sente e até gozamos juntos, mas não é a mesma coisa à tempos atrás, me sinto impotente e penso até em separar, o que faço??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não separa por vida sexual, busca novas formas de se relacionar com ela. Se casou é pq a ama. E não ter prazer não é motivo para magoa-la. Vc nao deve se sentir impotente por conta de passar isso pra ela. E pra ela com toda certeza se ela goza (oque é muito difícil para uma Mulher ) então é pq ela sente que vc é muito capaz de excita-lá. Bjs

      Excluir
  8. Acabei de passa a mao na minha bct tive um orgasmo muito obg por me ajudar boa noite

    ResponderExcluir
  9. entendi tudo agora !

    ResponderExcluir
  10. Me esclreceu muito obg!!

    ResponderExcluir
  11. nossa esclareceu varias duvidas minhas e o melhor e que abriu a possibilidade de conversar sobre isso com meu parceiro tenho certeza que tem coisas que eu descobrir que ele também não sabe não so por causa desse site mas outros que eu eu vi também mas esse foi um dos melhores

    ResponderExcluir